Ser pai

Vivemos em uma sociedade onde está cada vez mais comum homens terem uma bela noite de prazer desprovidos de certas precauções e, com isso, acabam gerando vidas não planejadas. Ao descobrirem o feito, esses idiotas somem do mapa sem, se quer, registrar as vítimas que vêm ao mundo.

Talvez, esse seja um dos maiores motivos (obviamente não o único) de tantas pessoas defenderem o aborto.

Ser pai é um privilégio, uma dádiva. O desafio mais gostoso da vida de um homem de verdade. Ser pai é descobrir que é possível amar alguém mais do que sua mente poderia imaginar. Torna-se espelho, herói e porto seguro para uma vida em construção.

Acordar nas madrugadas para ver se está tudo bem. Levá-lo para debaixo do chuveiro a fim de baixar a febre até que faça efeito o remédio aplicado. Preocupar-se em, não só, prover as necessidades básicas, mas também, gerar tempo de qualidade.

Brincar de pique-esconde (nitidamente vendo os pezinhos por fora da cortina), contar histórias, das clássicas até as inventadas de improviso. Desenhar e assistir desenhos. Ter a capacidade de assistir galinha pintadinha centenas de vezes e não entrar em parafuso, kkk.

Na última sexta-feira, ouvi pela primeira vez de meu filho, perto de completar quatro anos de idade: “papai, quero ser igual a você”.

Ao mesmo tempo que fiquei com um orgulho de ouvir aquilo, me bateu uma preocupação monstruosa. Nossas atitudes são impressões que ficarão marcadas eternamente na mente dos nossos filhos.

Por fim, desejo a todos os pais muitas felicidades nesse dia. A todas as mães que cuidam de seus filhos sozinhas, o meu imenso respeito. Aos padrastos, avós, tios e demais cuidadores que suprem a criança, meu total carinho.

Termino relembrando um conselho antigo dado pelo Rei Salomão:

“Ensina teu filho no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”, Provérbios 22:6

Forte abraço.